Poema para Jeanne Hébuterne (incompleto)

Retrato de Jeanne Hébuterne, por Amedeo Modigliani

Retrato de Jeanne Hébuterne, por Amedeo Modigliani

Jeanne, o teu segundo nome foi esquecido                                                                                       a tua arte foi esquecida, emparedada                                                                                               uma herança maldita, o que o mundo não queria                                                                            e conhecemos-te das pinturas dele                                                                                                   as pinturas em que também te amei                                                                                           indómita parisiense dobrada à arte do grande artista                                                                   ao vinho do grande artista                                                                                                                   ao punho do grande artista                                                                                                                 ao ópio do grande artista                                                                                                                     ao pé do grande artista                                                                                                                          à traição do grande artista                                                                                                                   de olhos límpidos olímpicos                                                                                                                 Sais da bruma do esquecimento de tempos a tempos para me comover na tua desgraça        dos teus filhos, dos teus filhos a haver, plantados, mortos contigo ao saltar de uma varanda para o esquecimento                                                                                                                           Mil milhões de latas de atum com que os alimentaste                                                                   No quarto miserável onde se produzia a beleza do mundo                                                             A arte mágica dele                                                                                                                            Indómito como tu mas mais forte                                                                                                     esse criador de imagens mais do que amáveis                                                                              amável também ele na sua absoluta não sujeição

[tecnicamente incompleto; o fluxo de palavras não tinha terminado quando a escrita foi interrompida pelo adormecimento]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s